Sítio Crescer

Reportagem da Zero Hora sobre o Sítio


Por dois dias, nossa equipe visitou propriedades, fez algumas rotas, perdeu-se inúmeras vezes, deu boas risadas e experimentou acolhidas indescritíveis na nova rota de Garibaldi, a Via Orgânica, que reúne produtores orgânicos.
Para começar, a dica de ouro aos turistas: reserve mais do que um par de dias para conhecer o município. Apesar de ser um município relativamente pequeno – sua população é de aproximadamente 33 mil habitantes, conforme o IBGE –, é preciso contabilizar o tempo gasto no trajeto entre uma propriedade e outra, somar os minutos perdidos com a correção de rotas erradas e, claro, estimar um bom período para apreciar cada anfitrião, ouvir suas deliciosas histórias e visitar com calma as propriedades. Afinal, estar lá é bem mais do que contemplar belas paisagens, mas se desconectar da correria e se ligar à natureza e à vida no campo.

Sítio Crescer
Por: Camila Kosachenco

Arrisco a dizer que no Sítio Crescer tivemos a recepção mais calorosa. Explico: logo quando abri a porta do carro ouvi choros e uma cabeça preta adentrando meu espaço. Era o Max, border collie de seis anos. Para uma repórter "cachorreira", esse foi o ponto alto da chegada.

Em seguida, vieram a Ana Cláudia Chiesa e o Damian Chiesa de braços abertos, pausando a colheita de pêssegos, para nos dar as boas vindas. O jovem casal adquiriu a propriedade em 2009 e apostou no viés turístico desde o ano passado. Para isso, os dois construíram um hostel com capacidade para 40 hóspedes, salão com cozinha e uma paisagem belíssima, onde o único som que ouvimos é o dos pássaros e das cascatas.

— Aqui, fazemos um passeio guiado que chamamos de "sítio tur". Em nossa caminhada por entre as cascatas, falamos das flores, frutas, educação ambiental — conta Ana.

Depois da breve conversa, partimos para o famoso "sítio tur". Sempre acompanhados de Max e da gatinha Poderosa, caminhamos por entre as plantações de hortaliças provando tudo aquilo que aparecia pela frente: flores, amoras, broto de bambu, trevos, kinkans. O clima bucólico é reforçado pelo jardim repleto de margaridas, lavandas e outras flores que enchiam de cores o gramado da propriedade.

Após uma infinidade de registros fotográficos, adentramos o salão cheirando a doce de pêssego para tomar um café e comer um pãozinho coberto com as geleias produzidas ali, de kinkan e ameixa amarela. Delicioso!

Matéria completa em: http://zh.clicrbs.com.br/rs/vida-e-estilo/viagem/noticia/2016/11/conheca-a-via-organica-nova-rota-turistica-de-garibaldi-8190568.html